Telefone

+11 99308-9595 | 2369-6702

Jörn Holtmeier, CEO da Associação da Indústria Alemã de Feiras (AUMA)

A Alemanha tem sido um exemplo de sucesso para a retomada do setor de exposições no pós pandemia. Ao separar suas feiras comerciais de outros eventos, o país conseguiu apontar um horizonte para todos que trabalham neste segmento. O Portal Radar entrevistou Jörn Holtmeier, CEO da Associação da Indústria Alemã de Feiras (AUMA), para entender um pouco mais sobre como estas vitórias estão sendo alcançadas.

A AUMA conta com 73 membros, incluindo 38 associações da indústria representando expositores, visitantes e empresas de serviços, além de 35 organizadores de exposições.

Quando teve início na Alemanha os adiamentos das feiras? Como foi este momento para a organizadoras de feiras, prestadores de serviços etc.?

As primeiras exposições foram canceladas ou adiadas no início de março. Na época, muitos acreditavam que o problema da COVID-19 terminaria em alguns meses. Como resultado, algumas feiras foram adiadas para junho. Mas, no decorrer de março, ficou claro que as exposições provavelmente não ocorreriam novamente até o outono. Claro que isso foi um choque, mas agora há um crescente senso de otimismo.

Quais as medidas de apoio que governo alemão deu para o setor durante a pandemia?

A abordagem geral do governo federal foi a implementação de medidas de apoio à economia em geral, para que não houvesse programas setoriais específicos. Mas haviam vários programas grandes de ajuda para empresas de diferentes tamanhos, que os organizadores privados de feiras e de serviços poderiam usar também.

Uma grande vitória do setor na Alemanha foi a separação das feiras de negócios de outras categorias como festivais, shows musicais e etc. Como foi o caminho para conseguir esta conquista?

Em muitas conversas que realizamos nós deixamos claro para os políticos tomadores de decisão que as feiras são eventos de negócios, onde os participantes se comportam de maneira completamente diferente do que em um concerto ao ar livre, por exemplo. Além disso, o número de pessoas por m² nas feiras é significativamente menor do que nos chamados grandes eventos. E quando as coisas ficam difíceis nas feiras, você pode controlar o fluxo de visitantes. Os políticos finalmente entenderam isso.

As organizadoras de feiras na Alemanha têm uma característica interessante, pois conta com participação acionária da cidade/estado de onde está. Ter participação estatal foi um ponto importante para que o Governo Federal enxergasse as feiras como fator importante para a retomada econômica?

Não acho que este fator tenha desempenhado um papel importante nesta batalha. O governo federal sabe, também graças às nossas informações, que todas as feiras podem desempenhar um papel importante na recuperação econômica, independentemente de quem as possui.

Atualmente quais são os Estados que já estão abertas para receber feiras?

Em alguns Estados, as feiras já são permitidas novamente, mas apenas se tiverem um número muito baixo de visitantes. Regulamentos detalhados para exposições maiores ainda estão sendo elaborados. Os regulamentos variam de Estado para Estado, mas em uma escala bastante pequena. Atualmente, porém, quase nenhuma feira comercial está prevista para os próximos dois meses. O setor, provavelmente, será reiniciado em setembro, passo a passo. As primeiras exposições da Alemanha estão sendo anunciadas para o início de setembro.

Algumas organizadoras alemãs contam com subsidiárias no Brasil. Com o retorno das feiras de negócios na Alemanha, que tipo de experiências positivas elas poderão aplicar em outros mercados – como o Brasil por exemplo?

É muito cedo para responder a essa pergunta. Mas, a princípio, é importante fazer sugestões claras e construtivas junto aos políticos para contar com um reinício em um estágio inicial.

Falando da AUMA. Quantas pessoas trabalham na Associação e qual a sua infraestrutura?

Os membros da AUMA são organizadores de feiras, associações de empresas de serviços e organizações representando expositores e visitantes. Atualmente, cerca de 30 pessoas estão trabalham conosco na AUMA.

No Brasil o setor de feiras e eventos conta com diversas associações que respondem aos seus segmentos. A AUMA atende a quais segmentos e subsegmentos ligados ao setor?  

Atualmente a AUMA atende expositores, organizadores, visitantes e a associação mais importante de prestadores de serviços para feiras. Em princípio não é incomum que existam diferentes associações para organizadores de exposições e empresas de serviços, como empresas de construção de stands ou agências de eventos. Isso acontece porque as demandas e a estrutura das empresas são diferentes e, portanto, as tarefas das associações também diferem consideravelmente. Mas é importante que eles unam forças em tempos difíceis. É sempre útil para os políticos quando um setor está claramente separado de outros setores da economia.

Fonte: Portal Radar > www.portalradar.com.br